São Paulo contra o Adventismo do Sétimo Dia

Publicado: 9 de novembro de 2010 por Rafasoftwares em Seitas & Heresias

Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo, porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo”. (Gl 2,24-26).

Introdução

Um ramo bem particular do Protestantismo é o Adventismo do Sétimo Dia, principalmente pelo seu sincretismo entre os princípios da Reforma e a Lei judaica. Como toda denominação protestante dizem que sua doutrina se baseia única e exclusivamente na Bíblia, mas, no entanto é a própria Bíblia que os desmentem. Como seria demasiado longo escrever sobre todos os pontos em que a doutrina adventista se choca com a Sagrada Escritura e sobre os ensinamentos dela que são totalmente desprezados, neste trabalho trataremos somente da doutrina paulina. Com efeito, ninguém foi mais duro com os judaizantes do que S. Paulo.

A autoridade do AT e do NT

Para os adventistas o AT e o NT possuem a mesma autoridade. Defendem esta tese com as seguintes palavras de S. Paulo: “Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” (2 Tm 3,16).

Dizem eles “Toda é Toda”, concluindo que não se pode ter preferência pelo NT em detrimento ao AT.

Com efeito, de forma alguma negamos a inspiração divina do AT, nem tampouco dizemos que dele não se deve tirar proveito. Entretanto é o próprio Apóstolo que diz que a Lei não vale mais com o advento de Cristo:

Irmãos, vou apresentar-vos uma comparação de ordem humana. Se um testamento for feito em boa e devida forma, por quem quer que seja, ninguém o pode anular ou acrescentar-lhe alguma coisa. Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: aos seus descendentes, como se fossem muitos, mas fala de um só: e a tua descendência, isto é, a Cristo. Afirmo, portanto: a lei, que veio quatrocentos e trinta anos mais tarde, não pode anular o testamento feito por Deus em boa e devida forma e não pode tornar sem efeito a promessa. Porque, se a herança se obtivesse pela lei, já não proviria da promessa. Ora, pela promessa é que Deus deu o seu favor a Abraão. Então que é a lei? É um complemento ajuntado em vista das transgressões, até que viesse a descendência a quem fora feita a promessa; foi promulgada por anjos, passando por um intermediário. Mas não há intermediário, tratando-se de uma só pessoa, e Deus é um só. Portanto, é a lei contrária às promessas de Deus? De nenhum modo. Se fosse dada uma lei que pudesse vivificar, em verdade a justiça viria pela lei; mas a Escritura encerrou tudo sob o império do pecado, para que a promessa mediante a fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem. Antes que viesse a fé, estávamos encerrados sob a vigilância de uma lei, esperando a revelação da fé. Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo, porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo”. (Gl 2,15-26) (grifos meus).

Aqui S. Paulo expõe muito bem a distinção de autoridade entre o AT e o NT. O Primeiro é o ministério da Lei através de Moisés, o segundo é ministério da Graça através de Cristo. O primeiro teve sua utilidade, mas pela Fé em Cristo não dependemos mais dele. Para S. Paulo o AT não é igual ao NT, nem tem a mesma autoridade. Interessante, pois aqui S. Paulo mostra que o NT é mais antigo que o AT.

Ainda: “Sepultados com ele [Cristo] no batismo, com ele também ressuscitastes por vossa fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos. Mortos pelos vossos pecados e pela incircuncisão da vossa carne, chamou-vos novamente à vida em companhia com ele. É ele que nos perdoou todos os pecados, cancelando o documento escrito contra nós, cujas prescrições nos condenavam. Aboliu-o definitivamente, ao encravá-lo na cruz” (Cl 2,12-14) (grifos meus).

S. Paulo mais uma esclarece que o AT foi abolido por Cristo na Cruz. Para os sabatistas o Apóstolo está se referindo apenas às observâncias cerimoniais. Ora, desde quando estas observâncias acusavam os judeus? O que os acusavam eram as prescrições morais da Lei (cf. Tg 2,10-11). Mas os sabatistas que dizem ter a Bíblia como única regra de Fé e prática dizem que tais prescrições ainda valem para nós cristãos.

A doutrina Paulina entre os Testamentos também é expressa de forma clara em Hebreus 9.

Sobre os Dez Mandamentos

Para os sabatistas dos Dez Mandamentos conforme constam na letra do AT são irrevogáveis. Daí concluem que os cristãos ainda estão obrigados à observância do Sábado dos judeus.

Vejamos o que S. Paulo diz sobre os Dez Mandamentos:

Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação! Aliás, sob esse aspecto e em comparação desta glória eminentemente superior, empalidece a glória do primeiro ministério. Se o transitório era glorioso, muito mais glorioso é o que permanece!” (2Cor 3,7-11) (grifos meus).

A Escritura não deixa dúvidas de que o Apóstolo estava se referindo aos Dez Mandamentos. S. Paulo se refere a um evento registrado no Êxodo:

Moisés ficou junto do Senhor quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber água. E o Senhor escreveu nas tábuas o texto da aliança, as dez palavras. Moisés desceu do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas da lei. Descendo do monte, Moisés não sabia que a pele de seu rosto se tornara brilhante, durante a sua conversa com o Senhor. E, tendo-o visto Aarão e todos os israelitas, notaram que a pele de seu rosto se tornara brilhante e não ousaram aproximar-se dele” (Ex 34,28-30) (grifos meus).

Para S. Paulo o Decálogo era transitório e tornou-se pálido com o advento de Cristo. Enquanto para os sabatistas ele é eterno e vivo. Ver ainda 2Cor 3,2-3.

Sobre o Sábado e comidas

Os adventistas crêem que os cristãos devem guardar o Sábado e que devem se abster de carne de porco. Porém, S. Paulo escreveu aos Colossenses: “Ninguém, pois, vos critique por causa de comida ou bebida, ou espécies de festas ou de luas novas ou de sábados. Tudo isto não é mais que sombra do que devia vir. A realidade é Cristo” (Col 2,16-17) (grifos meus).

Dizem os adventistas que S. Paulo estava se referindo aos sábados festivos e comemorativos. Porém, S. Paulo utiliza aqui a palavra grega Sabbaton, que quando utilizada na forma como empregou o Apóstolo (sem ser precedida de numeral ordinal: primeiro, segundo e etc) significa Sétimo Dia. No NT TODAS AS VEZES em que este ela aparece nesta forma refere-se ao Sétimo Dia. Por quê só em Col 2,16 não?

Os sábados comemorativos são as festas e as luas novas (cf. Nm 10,10; 1Cr 23,31; Jt 8,9; Is 1,13-14; Os 2,13). Se S. Paulo estivesse referindo-se somente aos sábados comemorativos não relacionaria do Sétimo Dia ao lado das festas e luas novas.

S. Paulo ensina aos Colossenses que os cristãos não devem ser incomodados por causa de comida e bebida, entretanto Ellen White prescreveu uma série de restrições alimentares.

No Domingo acontecia a Ceia do Senhor, reunião de adoração a Deus

Em 1Cor 11 S. Paulo dá instruções sobre como os fiéis devem se comportar nas reuniões de Culto a Deus. Os versículos 20 e diante tratam exatamente da Ceia do Senhor que era ordinariamente celebrada no primeiro dia da semana, isto é, Domingo (cf. At 20,7). Ainda em 1Cor 16,2 há instruções sobre as coletas. Isso prova que a Ceia do Senhor não era uma mera reunião de refeição como ensina Ellen White. Prova também que o Domingo desde os tempos apostólicos já era observado como dia de culto.

O Juízo Investigativo

Ellen White ensina que Jesus em 22 de Outubro de 1844 entrou no Santuário Celeste para espiar os pecados dos homens. Porém em Hebreus lemos: “[…] [Cristo] Depois de ter realizado a purificação dos pecados, está sentado à direita da Majestade no mais alto dos céus” (Hb 1,3). Logo Jesus não realizou a expiação dos pecados em 1844, mas com seu sacrifício na Cruz.

Também consta em Hebreus: “Porém, já veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. […] sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna” (Hb 9,11-12) (grifos meus). A Escritura ensina que Cristo entrou no santuário celeste logo após sua morte e não em 22 de Outubro de 1844.

Jesus tinha pecado?

Ellen White ensina que Jesus era tudo semelhante a nós, inclusive no pecado. Como pode Deus ser inimigo de Si mesmo, já que o pecado é uma ofensa a Ele? É claro que a Escritura rechaça tamanho absurdo. Veremos qual é o ensino Paulino sobre esta matéria:

E esta aliança da qual Jesus é o Senhor, é-lhe muito superior. Além disso, os primeiros sacerdotes deviam suceder-se em grande número, porquanto a morte não permitia que permanecessem sempre. Este, porque vive para sempre, possui um sacerdócio eterno. É por isso que lhe é possível levar a termo a salvação daqueles que por ele vão a Deus, porque vive sempre para interceder em seu favor. Tal é, com efeito, o Pontífice que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado além dos céus, que não tem necessidade, como os outros sumos sacerdotes, de oferecer todos os dias sacrifícios, primeiro pelos pecados próprios, depois pelos do povo; pois isto o fez de uma só vez para sempre, oferecendo-se a si mesmo” (Hb 7,22-27) (grifos meus).

É a própria Escritura na qual os adventistas dizem ser sua regra única de Fé que afirma que Jesus não tinha necessidade de oferecer sacrifícios por seus pecados, pois eles eram inexistentes, pois era “santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores”. É um absurdo que tamanha heresia seja ensinada como doutrina cristã autêntica.

Quem obterá vitória sobre o Demônio?

Ellen White ensina que a “Igreja Remanescente”, isto é, a Igreja Adventista, obterá a vitória final contra o Demônio. Entretanto lemos na carta aos Romanos: “a todos os que estão em Roma, queridos de Deus, chamados a serem santos: a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo! Primeiramente, dou graças a meu Deus, por meio de Jesus Cristo, por todos vós, porque em todo o mundo é preconizada a vossa fé […] O Deus da paz em breve não tardará a esmagar Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!” (Rm 1,7-8.20) (grifos meus).

S. Paulo não só ensina como também profetisa que a vitória será da Igreja Romana.

Conclusão

Seria necessário escrever um livro para apresentar todas as contradições da doutrina adventista em relação à Bíblia. Tais contradições são gritantes e bradam até aos céus!

Aos seguidores de Ellen White valem ainda as palavras de S. Paulo: “Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado” (1 Cor 5,7). Com efeito, ainda estão ligados ao velho fermento dos fariseus (cf. Mt 16,6), por isso possuem tanta dificuldade em aceitar toda a Graça de Cristo. Também sobre isso S. Paulo ensinou: “Não fazemos como Moisés, que cobria o rosto com um véu para que os filhos de Israel não fixassem os olhos no fim daquilo que era transitório [o Decálogo]. Em conseqüência, a inteligência deles permaneceu obscurecida. Ainda agora, quando lêem o Antigo Testamento, esse mesmo véu permanece abaixado, porque é só em Cristo que ele deve ser levantado. Por isso, até o dia de hoje, quando lêem Moisés, um, véu cobre-lhes o coração. Esse véu só será tirado quando se converterem ao Senhor” (2 Cor 2,13-16).

Dizem os adventistas que as obras de Ellen White são uma “luz menor” que explica a “luz maior” que é a Bíblia. Entretanto a prática é bem outra: os livros de Ellen White são a verdadeira Regra da Fé para os adventistas. Para que a doutrina adventista tivesse coerência com seus próprios princípios deveria fazer como os ebionitas que recusaram como Escritura todas as cartas de S. Paulo.

Autor : Alessandro Lima

Fonte: Veritatis Splendor

comentários
  1. PAULINO disse:

    COMO É QUE VCS FAZEM ISSO…
    CHEGAR AO PONTE DE DIZER QUE, O QUE ERA TRANSITORIO´É O DECALOGO….
    NAO ENTENDO VCS UMA HORA DIZEM QUE OS DEZ MANDAMENTOS ESTAO EM VIGOR E UMA HORA DIZEM QUE É TRANSITORIO.
    Alguns, lendo superficialmente, chegam à conclusão de que a Lei de Deus “tinha de perecer”; mas o que claramente se diz neste versículo é que a glória fugaz refletida no rosto de Moisés era que “tinha de perecer”. O reflexo da “glória” no rosto de Moisés se desvaneceu, mas a Lei de Deus gravada “com letras em pedras” permaneceu em vigência. Da mesma forma o ministério de Moisés e o sistema judeu eram os que tinham que desaparecer, não a Lei de Deus (Mateus 5:17-18; Lucas 16:17; Romanos 3:31; Romanos 6:15; Tiago 2:10-13; João 14:12-26 e etc.). A glória não estava nas tábuas de pedra, portanto não se desvaneceu ali.

    • Rafasoftwares disse:

      Vamos ver se você sabe ler:

      “Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! …”

      Ministério da morte gravado em letras de pedras = 10 mandamentos ( e transitório ) ou existe outro?

      Ministério do Espírito = Ministério da justificação!

      Se você souber ler pode ver claramente que o ministério da morte são as tábuas!!! E não se refere a Moisés e sim a lei, e a morte não tem mais nenhum poder sobre nós!

  2. PAULINO disse:

    Os sábados comemorativos são as festas e as luas novas (cf. Nm 10,10; 1Cr 23,31; Jt 8,9; Is 1,13-14; Os 2,13). Se S. Paulo estivesse referindo-se somente aos sábados comemorativos não relacionaria do Sétimo Dia ao lado das festas e luas novas.
    RESPOSTA:
    VC ESQUECEU DE LEV:25 1-17
    OS SABADOS DO ANO SABATICO NAO É DIAS FESTA, POR ISSO O APOSTOLO SEPAROU DE festas e as luas novas .
    ESTUDE MAIS UM POUCO…..

    • Rafasoftwares disse:

      “Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo, porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo”. (Gl 2,24-26)

      Os adventistas crêem que os cristãos devem guardar o Sábado e que devem se abster de carne de porco. Porém, S. Paulo escreveu aos Colossenses: “Ninguém, pois, vos critique por causa de comida ou bebida, ou espécies de festas ou de luas novas ou de sábados. Tudo isto não é mais que sombra do que devia vir. A realidade é Cristo” (Col 2,16-17)

      Meu Caro veja a diferença de festas e sábados! o Sábado ai falado é o sábado 7 dia da semana! A palavra Usada é Sabathon que se refere ao Sábado 7 dia!

  3. PAULINO disse:

    SE A LEI FOSSE TRANSITORIA, ROMANOS 3:31 E TIAGO 2:12 FICARIA SEM SENTIDO NÃO ACHA?
    ANULAMOS A LEI PELA FÉ? DE MODO NENHUM; ANTES CONFIRMAMOS A LEI.ROMANOS 3:31
    FALAI DE TAL MANEIRA E DE TAL MANEIRA PROCEDEI, COMO HAVENDO DE JULGADOS PELA LEI(TORÁ) DA LIBERDADE…TIAGO 2:12
    TIAGO AINDA CITA UM MANDAMENTO DA LEI DA LIBERDADE…..TIAGO 2:11

  4. PAULINO disse:

    O termo grego para “escrito” de dívida encontrado em Colossenses 2:14 é “cheirographon”. Segundo o Léxico Grego de Strong (Sociedade Bíblica do Brasil), a palavra possui os seguintes significados:

    1) manuscrito, o que alguém escreveu por sua própria mão;
    2) nota manuscrita na qual alguém reconhece que recebeu dinheiro como depositário ou por empréstimo, e que será devolvido no tempo determinado.

    Desse modo, Paulo não está dizendo que a Lei de Deus foi abolida (o termo cheirographon não é sinônimo de nomos – lei. NUNCA cheirographon é traduzido por “Lei”, no grego bíblico) e sim que a o relato do pecado – que era contra nós – foi cravado na cruz. Esse relato é simbolizado por uma nota promissória que Jesus pagou, de modo que não mais estamos em débito para com Deus e Sua santa Lei. E, assim, não estamos mais destinados à morte eterna – demanda legal para todo o pecador (Romanos 6:23).

    O Dr. George Knight, em uma nota no livro Questões Sobre Doutrina (Casa Publicadora Brasileira, 2009) apresentou uma interessante tradução de Colossenses 2:14, com base no significado de cheirographon (escrito de dívida):

    “A English Standard Version o expressa [o texto de Colossenses 2:13, 14] corretamente ao observar que ‘Deus [nos] tornou vivos juntamente com Ele, tendo nos perdoado todas as nossas ofensas ao cancelar o relato de débito que se colocava contra nós com suas demandas legais’” – p. 124.

    Usar esse texto para dizer que a Lei Moral ou a Lei cerimonial foi abolida é desconsiderar o significado do termo e o propósito da carta aos Colossenses.
    FONTE: novotempo/namiradaverdade

  5. PAULINO disse:

    e sobre os galatas
    A lei, ao convencer o homem de sua miséria moral e de sua culpa, leva-o pouco a pouco ao arrependimento e lança-o abatido, desencorajado, incapaz de lutar por mais tempo, aos pés de Jesus, onde encontrará perdão e justificação. O papel da lei é o de um pedagogo, que revela ao doente o seu estado e que, sem o curar, o conduz ao grande médico, o Cristo. A lei não trouxe a salvação: no entanto, em certo sentido, tornou-a possível
    ANULAMOS A LEI PELA FÉ? DE MODO NENHUM; ANTES CONFIRMAMOS A LEI.ROMANOS 3:31

    • Rodrigo disse:

      É esse comentario ou tese a ser defendida me mostra que devo continuar guardando o sábado, pois o amor do SENHOR JESUS CRISTO foi tão grnde na cruz que a guarda do sabado é um prazer para mim as horas sagradas do santo sabado a razão e emoçao de guardar o sabado é muito boa e assim com os apostolo de CRISTO foram seguidos e o proprio CRISTO tb foi porque as pessoas nao o reconhecia assim de modo igual serao os santos do SENHOR perseguido (começando por você autor dessa tesse sao paulo contra o adventismo) pois gurdamos os mandamento e mesmo que tropeçemos temos a JESUS CRISTO O JUSTO para nos purifuicar e nos santificar sem mandamento como saber que estou errado porque teria o GRANDE SACRIFICIO? pois os mandamentos nada mais é para reflexo dos pecados e reconhecer os erros e clamar a DEUS atraves de CRISTO NOSSO INTERCESSOR que nos perdoe…….

  6. tiago pires souza disse:

    podem até distorcer a bíblia, e como sempre fizeram,usarem textos fora do contexto para desmerecer o que foi escrito pelo dedo do próprio Deus,podem até insinuar que Paulo tinha dupla personalidade ao pregar contra a lei se ele mesmo sempre a guardou,inclusive o sábado a exemplo de Jesus nosso exemplo maior a ser seguido, ELE o próprio Deus, guardou o sábado, que sentido haveria em abolir tal após sua morte?,, no mínimo estranho e confuso esse Deus que não sabe o que quer; más, entretanto, jamais poderão distorcer a história de homens como João Huss e Jerõnimo de Prada ou Martinho Lutéro que morreram por essa verdade “então vi a igreja e estava embriagada com o sangue dos santos os que foram fiéis a Jesus” ( apo 17; 6) aqui está a parseverança dos santos, os que guardam os mandamentos e tem a fé em jesus.
    Se não é preciso guardar os mandamentos/? bom, prefiro não arriscar, mas se eu estiver com a razão….. vcs terão sérios problemas quando o criador da lei voutar. Deus o abençoe

  7. tiago pires souza disse:

    caro irmão Alessandro Lima;pelo que entendir, estamos livres para ter outros Deuses, para adorar imagem de escritura, podemos usar o nome de Deus em vão, não precisamos guardar o sábado nem honrar pai e mãe, podemos matar adulterár roubar mentir e cobiçar; ou somente o sábado que foi abolido? dez ou um?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s