E o que a Igreja diz sobre a homossexualidade?

Publicado: 21 de junho de 2010 por Rafasoftwares em Pecados, Seitas & Heresias

Será que o Homossexualismo é bem visto aos olhos de Deus?

Muitos podem responder essa pergunta dizendo que sim, que Deus ama a todos! Ora Deus ama o pecador e não o pecado, Deus nos fez homem e mulher, Adão e Eva, e não Adão e Ivo ou Ada e Eva. Lembremo-nos do Gênesis :

2, 18. O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só; vou fazer-lhe uma auxiliar que lhe corresponda.”

2, 22-24. “E da costela que tinha tomado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher, e levou-a para junto do homem. “Eis agora aqui, disse o homem, o osso de meus ossos e a carne de minha carne; ela se chamará mulher, porque foi tomada do homem.” Por isso o homem deixa o seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher; e já não são mais que uma só carne.”

Se Deus Aprovasse o Homosexualismo Não deixaria tão claro em sua criação como deveriam ser todas as coisas.

Mas qual a Orientação da Igreja para tais casos?

Vejamos nas escrituras:

Levítico 18, 22: “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é;”

Levítico 20, 13: “Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; Certamente Morrerão; o seu sangue será sobre eles.”

Romanos 1, 26. “Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza.”

Romanos 1, 27 “E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.”

1 Coríntios 6,9: “Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos…”

Judas 1, 7 “Da mesma forma Sodoma, Gomorra e as cidades circunvizinhas, que praticaram as mesmas impurezas e se entregaram a vícios contra a natureza, jazem lá como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.”

Vejamos no Catecismo:

CASTIDADE E HOMOSSEXUALIDADE

Parágrafo 2357 A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que “os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados”. São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados.

Parágrafo 2358 Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.

Parágrafo 2359 As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.

Parágrafo 2396 Entre os pecados gravemente contrários à castidade é preciso citar a masturbação, a fornicação, a pornografia e as práticas homossexuais.

Não é preciso ser dito mais nada a respeito! Devemos agora, pois orar por aqueles que se encontram em tal pecado e ter a esperança que o Senhor os levará ao arrependimento!

In Cord Jesu Semper,
Rafael Rodrigues.

Anúncios
comentários
  1. André Messias disse:

    Prezado Rafael, esse é verdadeiramente um tema muito extenso e de difícil conciliação. Pois, tange a intimidade humana. Acredito piamente que Deus expressa seu amor incondicional por todos os seu filhos, nos quais se incluem os homossexuais. Como já citei em um post anterior minha linha religiosa é o espiritismo cristão. Sei que este não é o local adequado para debates religiosos, mas peço permissão para expressar a visão espírita sobre esse tema, somente para que desta forma possamos avaliar melhor como agir com o máximo de caridade com nossos irmãos que apresentam esse tipo de inclinação sexual.
    O fragmento retirado do catecismo da igreja católica citado anteriormente:”…Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza…” Corrobora com a visão da doutrina espírita acerca da homossexualidade. Não vou entrar em pormenores doutrinários, porém concebemos que quando a pessoa se encontra na condição de homossexual, ela passa por várias privações, principalmente aquelas impostas por nossa sociedade, cheia de preconceito e discriminação. Neste fato reside a missão do indivíduo homossexual, compreender a oportunidade concedida pelo criador de nas lutas diárias, na resignação quanto à vontade divina poder progredir espiritualmente, buscando sempre a pureza, a caridade e a vida digna à qual todos fomos convocados.
    É de se concordar com o questionamento que possa surgir:”mas uma pessoa nessas condições não viveria muito solitária? sem um parceiro afetivo?” A resposta segundo o princípio da caridade espiritual seria: Nem todos foram convocados a procriar fisicamente. Porém, os que livres das amarras das resonsabilidades maritais e domésticas poderiam abraçar a castidade e dedicar-se com mais devoção à prática da caridade e doação ao próximo. Assim sendo, Deus, na sua infinita bondade e conhecimento concederia ao individuo homossexual a oportunidade de se devotar integralmente à missão de procriar espiritualmente através do amor ao próximo.
    Alguém pode questionar: “onde fica o livre arbítrio nessa história?”, “se Deus me fez homossexual sem eu haver pedido isso, por que devo dedicar minha vida ao amor ao próximo em detrimento de viver uma vida afetiva com um companheiro(a)?”. Respondo essa pergunta novamente com a doutrina da caridade espiritual: Tudo o que vivemos e passamos nesse plano, é para nosso aprendizado e progresso. Se Deus nos cencedeu essa oportunidade, com toda certeza é para nosso benefício espiritual por mais que inicialmente não compreendamos os principios espirituais que regem as leis do nosso mundo.
    Com isso quero concluir que, aqueles que se apresentam nessa vida com inclinações homossexuais, não são preteridos de Deus. Ao contrário, pelo seu imenso amor por estes, Deus concede-lhes a graça de viver inteiramente para o amor e poder devotar todas as suas potencialidades ao serviço ao próximo.

  2. Daniel Dumaresq disse:

    Até mesmo biologicamente o homossexualismo é anormal. O objetivo principal do sexo (para qualquer espécie) é reprodução para perpetuar a espécie. Entre dois homens ou duas mulheres nunca haverá reprodução. Além do mais, naturalmente não há uma relação homossexual, é algo extremamente forçado.

    Aos heterossexuais eu digo: não pensem que pelo sexo ser algo bom aos olhos de Deus pode ser algo desenfreado, mas deve ser no casamento.

    Aos homossexuais eu digo: não confundam o sistema digestório com o sistema reprodutor. O côncavo é para o convexo.

    • André Messias disse:

      Prezado Daniel, após ler sua resposta noto uma inclinação muito grande para uma leitura puramente biológica da questão da homossexualidade. Respeitosamente, peço permissão para salientar o caráter afetivo e emocional envolvido nessa causa.
      Nós, os seres humanos fomos dotados pelo Criador de faculdades emocionais de extrema subjetividade. Não podemos descrever o amor em palavras, nem mensurá-lo em experimentos laboratoriais. assim sendo, os homossexuais, assim como os heterossexuais, Carecem de carinho, afeto e companheirismo. Seria extremamente desumano reduzirmos o caso simplesmente ao contato sexual. Definir que o indivíduo homossexual só é homossexual em função de manter relações sexuais com outro do mesmo sexo é contrário ao princípio da razoabilidade e do bom senso. Descrever o homossexual como uma anomalia biológica é também um profundo desconhecimento das ciências biológicas. Pois, a homossexualidade se faz presente em diversas espécies fora a espécie humana. Creio profundamente que a questão central Daniel, não reside meramente em sexo como ferramenta procirativa, mas na questão afetiva. Julgar e previamente condenar um indivíduo que “Nasce” com uma orientação diferente da nossa é contrário à caridade.
      Homossexualidade não é opção é orientação, ninguém opta por ser ou deixar de ser homossexual. Já tentou imaginar-se em uma cultura onde o homossexualismo fosse obrigatório e você obrigado a praticá-lo? Achou repugnante, não é? Na verdade a aversão que você sentiu não é ocasinada pela leitura da Bíblia ou do ensinamento da Igreja, mas sim pela sua orientação sexual.
      Como explicitei em um post anterior, não defendo a promicuidade e a devassidão, estas sim são contrárias ao desenvolvimento espiritual do indivíduo. defendo porém, o respeito as condições em que os indivíduos se apresentam aqui nesse plano, afim de serem provados e expiados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s